O blueprint do aplicativo oferece um controle detalhado sobre dependências de instalação, alterações de configuração e scripts editáveis. O Application Services gera planos de execução do blueprint, os quais podem ser revisados e usados para implantar aplicativos em ambientes de nuvem compatíveis.

É possível modelar e criar um aplicativo na tela do blueprint. No lado esquerdo da tela de blueprint, há modelos lógicos da biblioteca do Application Services. À direita, há uma lista dos serviços disponíveis na biblioteca e nos componentes de aplicativo. É possível selecionar um template lógico e arrastá-lo para o centro da tela de blueprint para dar início à modelagem do aplicativo.

Salve as alterações frequentemente. A sessão da interface do usuário do Application Services expira após 30 minutos de inatividade. Se a sessão expirar, todas as alterações que não foram salvas serão perdidas.

Pré-requisitos

  • Faça login no Application Services como um arquiteto de aplicativos.
  • Certifique-se de que pelo menos uma versão do aplicativo seja criada no Application Services. Consulte Criar uma versão do aplicativo.

Procedimento

  1. Na barra de título do Application Services, clique no menu suspenso e selecione Aplicativos.
  2. Selecione um aplicativo existente e abra uma versão do aplicativo.
  3. Clique em Criar blueprint para criar um blueprint do aplicativo.
    A tela para a modelagem de blueprint do aplicativo é exibida.
  4. Selecione e arraste um ou mais templates lógicos para a tela para criar nós.
    Por exemplo, para criar um aplicativo em três camadas, é possível arrastar três itens da lista Templates de SO para a tela ou arrastar um template da lista de Templates de SO, um item da lista de Servidores de bancos de dados e um da lista de Servidores de aplicativo. Os nomes das listas correspondem às tags associadas a um template.
  5. (Opcional) Selecione um dos nós na tela e altere o nome do nó na guia Detalhes abaixo do blueprint.
    Se o nome do nó contiver um caractere diferente de letras, dígitos, sublinhados ou hífens, esse caractere será substituído por um hífen.
    Por exemplo, para um aplicativo de três camadas, é possível renomear cada um dos três nós como Application_Server, Database_Server e Load_Balancer.
  6. (Opcional) Defina o nome na guia Detalhes abaixo do template se você planeja implantar o aplicativo para o vCloud Director ou o vCloud Automation Center.

    Esse nome de host atua como um identificador para o nome do computador da máquina virtual em sua rede. Se a caixa de texto do nome do host estiver em branco, o Application Services gerará um nome de host com caracteres aleatórios.

    O nome de host deve atender às seguintes convenções de nomenclaturas:
    • Limitado a 15 caracteres.
    • Deve começar com uma letra.
    • Pode conter letras, dígitos ou hífens, mas não pode terminar com um hífen.
    • Não pode ter o mesmo nome de host de outro nó no blueprint do aplicativo.
    • Pode incluir uma expressão a ${random} ao final de um nome de host para gerar caracteres únicos.

      Por exemplo, um nome de host Apache${random} pode gerar caracteres como Apache9INOIK3YT depois que um aplicativo é implantado. É possível visualizar o nome de host com caracteres únicos da página de resumo de implantação.

    Para um nó clusterizado, o nome de host não pode ultrapassar 15 caracteres com o índice de matriz de nó anexo. Por exemplo, um nó clusterizado chamado AppServer possui nomes de host das máquinas virtuais no cluster como AppServer-1, AppServer-2 e assim por diante.

  7. (Opcional) Para alterar o número padrão de CPUs ou a quantidade de memória para uma máquina virtual implantada, selecione o nó relevante na tela e edite os valores na guia Detalhes abaixo do blueprint.
    As guias exibidas abaixo do blueprint correspondem ao nó selecionado.

    Os valores de CPU e memória no blueprint podem não conferir com os valores correspondentes nas máquinas virtuais criadas no Amazon EC2. Uma vez que o Amazon EC2 autoriza máquinas virtuais com combinações de CPU e memória específicas, ele utiliza os valores atribuídos em um blueprint para determinar a combinação mais próxima possível.

  8. Selecione e arraste um ou mais serviços ou componentes de aplicativo para os nós.
    Por exemplo, é possível arrastar o serviço MySQL para um nó de servidor de banco de dados, arrastar o serviço JBoss para um nó de servidor de aplicativo e arrastar um serviço Apache para o nó de balanceador de carga.
    Se um serviço ou componente de aplicativo não for compatível com um determinado nó, não será possível arrastá-lo para o nó. Por exemplo, é possível arrastar o componente de aplicativo chamado SQL SCRIPT para um serviço MySQL, mas não é possível arrastar o componente SQL SCRIPT para um serviço JBoss.

    São criadas restrições de compatibilidade quando o administrador de catálogo de aplicativos define os sistemas operacionais e os componentes compatíveis em um serviço da biblioteca. O administrador de catálogo de aplicativos também pode adicionar à lista de sistemas operacionais e tags já disponíveis na biblioteca. Por exemplo, o serviço MySQL na biblioteca possui os componentes compatíveis listados como SQL SCRIPT. Apenas o tipo de componente de aplicativo SQL SCRIPT pode ser adicionado ao serviço MySQL.

    Além disso, o serviço MySQL possui sistemas operacionais compatíveis definidos como CentOS32 6.3.0, CentOS64 6.3.0, CentOS32 6.4.0, CentOS64 6.4.0 e Ubuntu32 12.4.2. O serviço MySQL pode ser adicionado a templates lógicos que incluem um dos sistemas operacionais.

    Observação: Se algum serviço pré-instalado for adicionado a um template lógico depois da criação de um blueprint, os novos serviços pré-instalados não serão adicionados ao nó. Nesse caso, será necessário criar o nó e adicionar os serviços pré-instalados.

    É possível adicionar os componentes de aplicativo SCRIPT e Outros a um nó ou qualquer serviço.

  9. Clique em Salvar.

O que Fazer Depois

Configure os componentes de serviços e aplicativo que você adicionou ao blueprint do aplicativo. Consulte Configurar um blueprint do aplicativo.