O vRealize Automation requer o banco de dados do appliance para a operação do sistema. Você pode gerenciar o banco de dados do appliance através do Console de gerenciamento de appliance virtual do vRealize Appliance (VAMI).

Você pode configurar o banco de dados como um sistema de nó único ou com vários nós para facilitar a alta disponibilidade por meio de failover. O banco de dados do appliance é configurado inicialmente quando você instala o sistema do vRealize Automation e ele não requer manutenção, a menos que seja alterada uma configuração da máquina ou, no caso de um sistema clusterizado, é necessário promover, por algum motivo, um nó diferente para mestre.

Observação:

A configuração de cluster de banco de dados é definida automaticamente quando você une um virtual appliance ao cluster usando a operação Unir cluster. No entanto, o cluster de banco de dados não depende diretamente do cluster de virtual appliance. Por exemplo, uma máquina virtual unida a um cluster poderia estar funcionando normalmente, mesmo que o banco de dados do appliance do Postgres incorporado não tenha iniciado ou tenha parado de funcionar.

Em uma configuração de cluster, há um nó mestre e um ou mais nós de réplica. O nó mestre é o nó do vRealize Automation appliance com o banco de dados mestre que oferece suporte à funcionalidade do sistema. Os nós de réplica contêm cópias do banco de dados que poderão ser levadas ao serviço se o nó mestre falhar.

Existem várias opções para definir uma configuração de banco de dados de configuração de appliance de alta disponibilidade. A consideração mais importante é escolher o modo de replicação para o sistema. O modo de replicação determina como a implantação do vRealize Automation mantém a integridade dos dados e, para configurações de alta disponibilidade, como ela faz failover caso o nó mestre ou o nó primário apresente falha. Existem dois modos de replicação disponíveis: síncrono e assíncrono.

Ambos os modos de replicação oferecem suporte a failover de banco de dados, embora cada um tenha vantagens e desvantagens. O modo síncrono minimiza as chances de perda de dados, mas à custa do desempenho do sistema e da necessidade de mais hardware. O modo síncrono também requer pelo menos três nós. O modo assíncrono é mais flexível e afeta menos o desempenho do sistema à custa de algum aumento do risco de perda de dados. O vRealize Automation tem suporte para ambos os modos, mas opera em modo assíncrono por padrão e oferece alta disponibilidade somente se houver pelo menos dois nós de banco de dados de appliance. A guia Banco de dados no Virtual Appliance Management Interface permite alternar entre os modos de sincronização e adicionar nós de banco de dados, conforme necessário. Se você começar com um nó em uma configuração que não seja de alta disponibilidade, poderá adicionar nós mais tarde, conforme desejado para aprimorar alta disponibilidade. Se você tiver o hardware apropriado e precisar de proteção máxima contra perda de dados, considere configurar a implantação para operar em modo síncrono.